09 julho 2009

Leite Derramado. O post completo.

Já que deu problemas técnicos com meu post lá no blog DeCabeceira, reproduzo aqui o post completo falando sobre o livro Leite Derramado.

"Escrevi aqui, outro dia, que estava lendo Leite Derramado, de Chico Buarque. Terminei já há alguns dias. Por que não escrevi este post antes? Falta de tempo e também de assunto. Não sabia o que dizer sobre o livro. Se gostei. Se não gostei. Enquanto pensava, lia outro livro. Mais um do Scott Turow, mas isso é assunto pra outro post.
Sobre o Leite Derramado, que eu não sabia se estava gostando ou não, agora confesso: gostei.
Chico, já li e ouvi tanto dele que posso cometer essa intimidade de tratamento, descreve as memórias de um homem centenário que faz um “review” (o termo é meu) da sua vida e da história da sua família.
O livro é um monólogo dirigido a quem quiser escutar: sua filha, as enfermeiras ou a você (no caso, eu). E no seu monólogo, às vezes delirante, ele faz desfilar toda a história decadente da sua família – e da própria aristocracia brasileira – ao longo dos anos.
Assim, de página em página, vamos sendo apresentados a uma decadência social e econômica, entrelaçada à história desse nosso país.
Na verdade, o livro é uma saga, ou minissaga (ou será mini-saga???) já que o romance inteiro não tem mais do que 200 páginas. E traz uma história embaralhada cronologicamente, afinal trata-se da memória de um velho de 100 anos.
E este é o aspecto criativo no livro do Chico Buarque. Um discurso meio desarticulado, por isso, curioso. E criativo. A gente chega a se sentir neto daquele velhinho ex-burguês e solitário no leito de um hospital público.
Trat-se de um monólogo, mas não é chato como a maioria deles. Chico (já estou íntimo) consegue criar imagens fortes e nítidas com sua prosa elegante e fluente. Ele descreve pessoas que, de tão detalhadas, tornam-se visíveis aos olhos do leitor. Duvido que alguém que leu o livro não tenha na frente dos olhos a exuberante figura de Matilde.
Bem, já escrevi muito. Se você se interessou pela história, vale a pena conferir. Não é nenhum Budapest, mas é um belo Brastemp."

3 comentários:

Kelly Veiga disse...

Acabei de ler Budapeste! haha

Demais!

Leite Derramado é o próximo!

Andrey disse...

Palermo,

preciso muito falar com você com urgência. Sou aluno da Estácio e preciso tirar umas dúvidas com vc. meu e-mail é andreydf@gmail.com

Diego Moreau disse...

Chico é deus. Seja com música, letra ou livros. Ótima dica. E...já atendeu ao pedido do Perdicast 02?