18 maio 2009

Velhas novidades


Fui convidado para ministrar uma palestra lá na Univali sobre novas mídias. Estou naquela fase que antecede a montagem da palestra, quer dizer, pensando em tudo e não fazendo nada.

Pensando bem, este termo “novas mídias” de novo não tem nada. Houve um tempo, distante para quem tem 19 ou 20 anos, afinal representa metade da sua vida, em que uma simples placa em lata de lixo era considerada uma nova mídia. Ou mesmo uma toalha promocional na mesa de um bar.

Hoje tudo isso é ideia velha, do tempo em que nem se pensava em grafar ideia sem acento. O tempo passou rápido e novas mídias surgiram deixando aquelas velhas novas mídias coisa de ontem ou de antes de ontem.

É claro que vou focar minha palestra na Internet. É claro que vou falar bastante sobre mídias sociais. É claro que vou fazer chover no molhado.

Internet é mídia nova? Pode ser, mas não tão nova assim. A velocidade com que ela está se transformando é tão alucinante que a novidade de hoje pela manhã não impressiona mais ninguém no final da tarde.

Alguns profetizam que o jornal e as revistas impressas em papel sumirão do mapa em 2020. Outros, não menos estudiosos do universo midiático, duvidam disso.

A verdade é que nós todos, os publicitários e as pessoas sadias, estaremos convivendo harmoniosa e pacificamente com as mídias da nossa época. Sejam elas chamadas de tradicionais, novas, off-line ou on-line.

Tudo é mídia. Tudo é mensagem. Tudo é novo. Tudo é velho.

1 comentário:

disse...

Oi, professor!

Fui convidada para ser uma das colaboradoras do blog da Propague. Meu primeiro post já foi! Quando puder, dê uma passadinha por lá.

www.impactocriativo.com.br

Beijos!